Deus e a matemática!

As semelhanças de Deus e a matemática.
A matemática é exata, Deus também.
Você não consegue poupar números, nem a lógica da matemática, assim como você não pode também ver Deus nem tocar nele.
Você sabendo matemática ou não, ela existe, você acreditando em Deus ou não, ele existe.
Se você conhece ou não a matemática ela existe, se você conhece ou não a Deus ele existe.
Para alguns a matemática não entra na cabeça de jeito algum, assim como para alguns Deus não existe.
E termino com:

Impossível provar que Deus existe, assim como também é impossível provar que ele não existe!

Pagar o preço!

Necessário sacrifício?
Eu fico tão feliz quando minha filha tem iniciativa de pegar as coisas e comer, simplesmente ela é a dona de tudo.
Hoje chegamos da rua depois de tanto andar, trouxemos um saco de pão, de repente, ela está com o saco de pão na mão, rasga o plastico, começa a comer. É tudo alegria.
Fico imaginando, nós com Deus, se somos filhos porque não fazemos o mesmo? Por que não pegamos a bênção que queremos? Por que precisamos fazer sacrifícios? Um tanto equivocado estas coisas dessas pessoas que acham que precisam de sacrifício para conseguir alguma coisa com Deus. Como é a passagem que Jesus contou sobre o filho pródigo como é conhecida ou “A Parábola dos Dois Filhos” a respeito do irmão mais velho? Pelo que me lembro é: “E ele lhe disse: Filho, tu sempre estás comigo, e todas as minhas coisas são tuas;” Referências Lucas 15.11-32.
Vamos viver o evangelho pleno, sem fantasias, sem dogmas. Jesus já pagou o preço por nós, agora é desfrutar.

 

Louvor e adoração é a mesma coisa?

É comum ouvirmos vamos “louvar ao Senhor com um hino de adoração…” isso nos faz pensar que louvor e adoração é a mesma coisa e que louvor é o mesmo de adoração.

Louvor é reconhecer os méritos de alguém, nem todo louvor é um ato religioso, o apóstolo Paulo nos dá um exemplo falando em 1 co 11.17 “Nisto, porém, que vou dizer-vos, não vos louvo, porquanto vos ajuntais, não para melhor, senão para pior”. Ora se Paulo fala que nisso não os louvava, significa que em outros momentos Paulo os louvava no sentindo de elogiá-los. Louva-se alguém por algo que ele fez, faz ou fará.

Louvor não é uma música? Claramente não, Louvor é uma atitude de reconhecer os atos de Deus em nosso favor, Louvamos a Deus por beniginidade, por sua provisão, por seu amor. Podemos louvar orando, recitando, e, é claro, cantando. Cantar é uma das formas mais populares de louvar a Deus.

Adoração é expressarmos a nossa veneração a Deus por ser ele quem é: Um Deus de amor, de misericórdia, de justiça, benigno, longânimo, Santo etc.

Nós cristãos evangélicos adoramos unicamente a Deus nas pessoas do Pai, do Filho e do Espírito Santo, mas não seja chato quando alguém dizer: “adoro lasanha”, não precisa dizer: “Eu adoro apenas a Deus”. Pois esta pessoa quer dizer apenas “gosto muito, mas muito de lasanha”.  Adoramos apenas a Deus, mas precisamos também entender que uma palavra pode significar muitas coisas.

O que é mais importante? O louvor ou a adoração?

É muito importante louvar a Deus, Sl 150.6 diz “Tudo quanto tem fôlego louve ao Senhor, Louvai ao Senhor”, é um dever nosso louvar ao Senhor. Louvar a Deus pelo que ele fez, faz e fará a nosso favor é fácil, mas Deus procura que nos adoramos ele em espírito e em verdade. João 4.23 “Mas a hora vem, e agora é, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque o Pai procura a tais que assim o adorem.” Deus quer um relacionamento conosco de forma que o adoramos pelo que ele é, Deus quer relacionar conosco pelo que ele é. É muito bom quando temos amigos que estão conosco nos momentos de alegria, por algo que fizemos, ou faremos, mas é triste que estes mesmos amigos afastam de nós quando não estamos nestes momentos, quando estamos triste, angustiados. Da mesma forma imagina seu relacionamento com Deus somente quando ele fizer algo de bom para você. Triste não? Louvor é tão importante quanto a adoração.

E para finalizarmos “E os quatro animais tinham, cada um de per si, seis asas, e ao redor, e por dentro, estavam cheios de olhos; e não descansam nem de dia nem de noite, dizendo: Santo, Santo, Santo, é o Senhor Deus, o Todo-Poderoso, que era, e que é, e que há de vir.” Apocalipse 4.8.

Vamos louvar adorar a Deus com consciência clara.

Compilado da revista Juvenis 5 Louvor e Adoração (Lição Louvor e Adoração – é a mesma coisa?) Editora CPAD.

Seguidor de Naamã!

Bom vamos relembrar primeiro a história de Naamã

Existia um homem por nome Naamã, capitão do Exército da Síria, veja: Capitão.
Homem que dava ordens e cumpria ordens, ele estava leproso, mas uma menina presa que nem é mencionada o nome dela, indicou que Naamã fosse até Eliseu, que ao ir até este homem ele seria curado.

Eliseu nem ao menos atendeu o homem, mandou mensageiros dizendo para ele ir e se lavar 7 vezes no rio Jordão, um rio sujo, dizendo; lave 7 vezes e você ficará curado.

Naamã porém ficou indignado, dizendo “Eis que eu dizia comigo: Certamente ele sairá, pôr-se-á em é, invocará o nome do Senhor seu Deus, e passará a sua mão sobre o lugar, e restaurará o leproso.” E resmungou dizendo que tinha rios melhores para se lavar e ser purificado. E indignado ele não fez nada.

Então seus servos lhe falaram: Meu pai, se o profeta te dissesse alguma grande coisa, porventura não a farias? Quanto mais, dizendo-te: Lave-te, e ficarás purificado.

Depois disso ele se “humilhou”, e resolveu a fazer o que o profeta falou, e ficou limpo.

O reino dos céus é assim, coisas simples são pedidas e nós nos achando autoridades no assunto querendo complicar, deixando de ser humilde, e não aceitando a graça de Deus.

Se você tem sido seguidor de Naamã aprenda a última lição, por fim resolveu se humilhar, e quando fez isso ficou curado.

Aceite que a Salvação é de graça por meio de graça de Deus, não precisamos fazer nada para sermos salvos, precisamos aceitar esta tão grande salvação, não precisamos fazer obras para sermos salvos, devemos fazer obras por sermos salvos. Por sermos salvos falamos da salvação do Senhor, e não falamos dessa salvação para sermos salvos, se você faz isso, saiba que está fazendo a coisa errada, tentando invalidar a graça de Deus.

Aceite é de graça. Verifique em sua vida se não está indignado com a simplicidade do evangelho e deixando de seguir o evangelho genuíno por ser tão simples. Se tem alguma coisa que você precisa fazer é: Crer·

Que possamos aprender com Jesus a humildade e aceitar esta graça de não merecemos, este favor imerecido que Deus fez por nos.

Não desperdice o que você tem de melhor!

Neste último ano minha filha de um ano tem  sido minha maior professora, tem me ensinado lições boas, um dos melhores presentes que Deus me deu. Vamos a lição: Por 3 vezes deixei de tomar água de coco que tinha em casa para dar a minha filha, e ela tem uma mania de ficar  jogando a água no chão (acho que ela quer limpar a casa), pois bem eu digo para ela não fazer aquilo e penso: Coitada não sabe o que está desperdiçando, não sabe o valor disso. Hoje na terceira  vez, eu parti o coco e dei a água para ela, era a única coisa que tínhamos até nós sairmos para o mercado para comprar alguma coisa, então deixei de tomar e dei para ela, ela jogou no chão, foi quando eu aprendi que eu dei o melhor que tinha para ela, dei o melhor daquele momento e ela sem conhecimento, sem saber, sem fazer noção disso jogou no chão. Desperdiçou, bom tem o lado que ela acha que está ajudando limpar a casa e tudo mais, mas não quero parti para este raciocínio, mas sim para meditar:
Deus nos criou para compartilhar o que ele tem de melhor e ao criar ele soprou o fôlego da vida em nós, Deus deu o que é dele, o que pertence a ele, o que ele tem  de melhor que é VIVER. E eu pergunto: O que você tem feito com a vida que ele te deu? Como tem vivido? Tem vivido da melhor forma? Não está desperdiçando seu tempo? Deixo você refletir por conta própria. Mas no geral somos tal como uma criança e precisamos de orientações para viver da melhor forma possível, para ter alegria e viver abundantemente e somente o autor da vida pode nos orientar. Reflita e lembre-se: “Se alguém tem falta de sabedoria  peça a Deus que ele dá liberalmente e não lança em rosto”.

Deus em primeiro lugar, será paradoxo?

Não é um paradoxo colocar Deus em primeiro lugar?

João disse: Se dizermos que amamos a Deus que não vejo e odiar ao meu próximo que eu vejo como está o amor de Deus em mim? Se alguém diz: Eu amo a Deus, e odeia a seu irmão, é mentiroso. Pois quem não ama a seu irmão, ao qual viu, como pode amar a Deus, a quem não viu? 1 João 4.20

Reflita antes de maltratar alguém e dizer que ama mais a Deus, reflita antes de sair para fazer a obra de Deus e não dá atenção a sua família, reflita antes de abandonar seu lar dizendo que é por amor a Deus.

Jesus desejaria o mal a alguém?

Eu não consigo ver Jesus Cristo desejando o mal para ninguém, nem mesmo para os bandidos que estavam ao lado dele na cruz os quais um deles mesmo testifica que mereciam o castigo, não consigo ver Jesus desejar mal nem para eles. E eu me faço a pergunta: Como eu posso ser cristão que traduzindo quer dizer: Pequeno Cristo, como eu posso dizer que sou Cristão e desejar o mal para alguém?

Sua meta é ir para o céu?

Não, minha meta não é ir para o céu. Lembro-me de alguém que fez a mesma pergunta. Era um advogado da empresa onde eu trabalhava, com quem precisei viajar e ficar junto no mesmo quarto de hotel. Logo que nos conhecemos dei a ele um folheto evangelístico e sua pergunta foi: “Sua esperança é morar na terra ou no céu?”
Pela pergunta eu logo vi que ele pertencia à religião chamada de “Testemunhas de Jeová”, cuja esperança é viver para sempre numa terra restaurada e livre dos problemas encontrados aqui. Por mais que negasse a divindade de Cristo ou o perdão dos pecados por graça somente, no final de nossa semana juntos ele confessou que muito do que eu lhe havia falado do evangelho até fazia sentido. Mas ele gostava mesmo era deste mundo, por isso a proposta de sua religião lhe era tão apetitosa. Seu sonho era continuar vivendo aqui neste mundo para sempre, só com a parte boa e sem a parte ruim. Algo como um eterno piquenique sem formigas ou mosquitos.
Para você entender a razão de minha meta não ser morar no céu, vou dar um exemplo. Imagine que seu artista preferido irá se apresentar hoje à noite no Teatro Municipal e você está louco para ir vê-lo. O problema é que os ingressos são caríssimos. Você não tem dinheiro, mas tem um amigo que trabalha no Teatro Municipal e liga para ele para ver se pode quebrar seu galho. O diálogo seria mais ou menos assim.
— Oi, estou louco para ir ao Teatro. Será que você não quebra este galho?
— Claro! Para você já está liberado.
— Sério?! Você conseguiria para mim um lugar perto do palco?
— Sem problema, na primeira fileira ou até no palco se preferir.
— Uau! No palco do Teatro Municipal! Você só pode estar brincando!
— Não estou não, e ainda dou a você livre acesso aos camarins.
— Puxa! Nem sei como agradecer! A que horas posso estar aí hoje?
— Hoje não vai dar, porque tem um show com um cara muito famoso. Mas amanhã sem problemas, porque o teatro estará vazio.
Entendeu agora? Minha meta não é ir para o céu, assim como a sua meta nesta situação hipotética não era ir ao Teatro Municipal, pois o lugar em si não significaria nada sem o seu artista preferido. Se a minha meta fosse ir para o céu eu poderia talvez escolher entre diferentes “céus”. Poderia preferir o céu muçulmano, com suas virgens, ou o nirvana ou qualquer “céu” que me agradasse. Por isso você não encontra na Bíblia a expressão “ir para o céu” como sendo a meta do cristão.
Quando o Senhor disse ao ladrão convertido na cruz, “em verdade te digo que hoje estarás comigo no Paraíso” (Lc 23:43), a força da expressão não estava em “estarás… no Paraíso”, mas em “estarás comigo. Pela mesma razão, quando o apóstolo Paulo fala de seu desejo de partir desta vida, ele não diz que tinha “desejo de partir, e estar no céu, porque isto é ainda muito melhor”, mas sim de estar com Cristo, porque isto é ainda muito melhor” (Fp 1:23).
As religiões prometem diferentes destinos de paz, tranquilidade e beleza, como a terra restaurada das Testemunhas de Jeová, ou o paraíso das delícias dos muçulmanos. Mas ir para esses “céus” é como ir ao Teatro Municipal no dia seguinte, ou seja, quem você realmente quer encontrar não estará lá. O que atrai o cristão a morar no céu não é o céu, mas quem está no céu: Cristo ressuscitado e glorificado à direita do Pai. Se a sua meta for qualquer coisa menos que isto, o que você está realmente buscando é um piquenique sem formigas, e não a companhia de Cristo eternamente.

Portanto, da próxima vez que perguntar aos seus filhos algo como“Você quer ir para o céu?”, talvez seja melhor perguntar “Você quer ir estar com Cristo?”. Esta é a meta.

por Mario Persona

Fonte: http://www.respondi.com.br/2015/04/sua-meta-e-ir-para-o-ceu.html#more

Jesus ficou no túmulo durante três dias e três noites?

Eu iria escrever sobre este assunto, mas eu achei um artigo tão bom e tão detalhado que se você consultar os versículos mencionados você irá entender completamente, talvez eu acrescentaria alguma coisa e deixaria passar outras, mas acho que diante de um artigo tão bom acredito que não seja necessário.
Minha única alteração no texto será colocar links dos versículos para você ganhar tempo caso deseja consultar as referências, e aproveito para indicar o site Bíblia eMail para a consulta de várias versões da Bíblia.
Deixo aqui o texto na integra:

 Jesus ficou no túmulo durante três dias e três noites?  (mp3)

Respondendo ao pedido dos escribas e fariseus, Jesus disse: “Porque assim como esteve Jonas três dias e três noites no ventre do grande peixe, assim o Filho do Homem estará três dias e três noites no coração da terra” (Mateus 12:40). Esta afirmação tem sido a base para várias conclusões contraditórias. Alguns criam uma cronologia diferente, negando o significado de passagens que dizem que Jesus foi crucificado na “véspera do sábado” (Marcos 15:42; cf. Lucas 23:54) e que foi ressuscitado cedinho no primeiro dia da semana (Mateus 28:1-6), que era o terceiro dia (1 Coríntios 15:4). Outros usam esta dificuldade para dizer que a Bíblia não é confiável, que ela se contradiz.

A Bíblia foi escrita principalmente em hebraico e grego, e estes idiomas, como outros, usam suas próprias maneiras de se expressar, inclusive diversas expressões idiomáticas. Jamais forçaríamos uma interpretação literal de expressões comuns como “pisar em ovos”, “perna-de-pau” ou “bater na mesma tecla”.

As línguas antigas também tinham suas expressões próprias – palavras ou frases figuradas ou idiomáticas. Um exemplo disto é a contagem de tempo pelos judeus. O Rabi Eleazar bar Azaria (100 d.C.) explicou: “um dia e uma noite fazem um ‘iona’ (24 horas), mas um ‘iona’ começado, vale um ‘iona’ inteiro”. Entendendo esta maneira de se expressar, compreendemos que um período que inclui parte da sexta-feira, o sábado inteiro e parte do domingo poderia ser descrito como “três dias e três noites”.

Há vários exemplos na Bíblia onde parte de um dia é contada como se fosse um dia inteiro. Ester falou que ia falar com o rei depois dos judeus jejuarem por três dias, e ela entrou na presença do rei “ao terceiro dia”, e não ao quarto dia, que seria literalmente depois dos três dias de jejum (Ester 4:16; 5:1). Roboão mandou que Jeroboão voltasse a ele “após três dias”, e Jeroboão obedeceu quando voltou “ao terceiro dia” (2 Crônicas 10:5,12).

Jesus falou que ressuscitaria “no terceiro dia” (Mateus 16:21; 17:23; 20:19), ou “depois de três dias” (Marcos 8:31; 10:34). Até os inimigos de Jesus entenderam o significado das profecias sobre a ressurreição. Para eles, “depois de três dias” significava “ao terceiro dia” (Mateus 27:63-64).

Quando juntamos todas as evidências, podemos entender que Jesus ressuscitou no terceiro dia, cumprindo perfeitamente as profecias sobre sua morte, sepultamento e ressurreição.

– por Dennis Allan

Retirado do site http://www.estudosdabiblia.net/bd13_10.htm

Como tem crescido a quantidade de pessoas declarando se ateus.

É impressionante a quantidade de gente se declarando ateus, a maioria a procura de visualizações no youtube para auto se promoverem, outros revoltados com religiões, outros revoltados com Deus no qual eles não acreditam que existe.
OK! Até ai tudo bem, melhor ser ateu do que ser um religioso ignorante, melhor ser ateu do que servi um Deus no qual você nem conhece como a maioria, melhor ser ateu do que acreditar em Deus e viver como se ele não existisse, algo não parece tão familiar como a maioria dos religiosos?
Melhor ser ateu do que dizer que server um Deus de amor e querer o mal do seu irmão.
Bom, mas o que me me intriga é um ponto: as pessoas se declaram ateus porque não é possível provar a existência de Deus, beleza, mas é possível provar que Deus não existe?